sexta-feira, 29 de junho de 2012

7 geleiras montanhosas que estão sumindo com o aquecimento global



Era uma vez uma pista de esqui em Chacaltaya, na Bolívia  Monte Tian Shan, CasaquistãoParque Nacional de Sagarmatha
Alpes de Kitzbühel, Áustria Calota de Gelo de Quelccaya
Glaciar Franz Josef, Nova Zelândia
Monte Chomolhari, Butão
Nem a mais alta estação de esqui do mundo resiste às mudanças no clima. A mais de cinco mil metros de altura, as pistas de Chacaltaya, ao norte de La Paz, na Bolívia, sucumbiram ao derretimento do gelo e, durante o verão de 2009, o glaciar onde estava a instalada a estação praticamente desapareceu.
Hoje, restam apenas 5% da geleira, com algumas incidências de neve, mas raras. Os cientistas haviam previsto seu desaparecimento para 2015, mas o aquecimento global acelerou o processo. De acordo com o levantamento da Co+Life, além de frustrar aventureiros, o sumiço da geleira comprometeu o abastecimento de água em algumas regiões da capital naquele ano. 


Estação de esqui desativada em Chacaltaya, na Bolívia


Aos pés do monte Tian Shan, encontra-se Almaty, a maior cidade da República do 
Casaquistão, com uma população de 1,3 milhões de pessoas. A região é uma locomotiva 
econômica, respondendo por 20% da produção industrial e 30% da agricultura do país. Todo 
o fornecimento de água para consumo, irrigação e uso industrial é garantido pelos glaciares a 
dois mil quilômetros ao norte, nas montanhas de Tian Shan. Nos últimos 50 anos, no entanto, 
os glaciares perderam cerca de 35% de sua cobertura devido a elevação das temperaturas – 
processo que deverá se intensificar nos próximos anos.
Localizado no Nepal, o Parque Nacional de Sagarmatha é parte das montanhas do Himalaia 
e tem o monte Everest, o maior pico do mundo, como sua atração principal. Considerado 
Patrimônio Mundial pela Unesco em 1979 devido às suas características naturais e culturais 
únicas, o parque concentra a maior quantidade de gelo terrestre do mundo, um volume 
superado apenas pelas massa dos Pólos Sul e Norte.
As geleiras da região são importante fonte de água para a população asiática, sendo vital 
para economia e subsistência das pessoas. O perigo do aquecimento global é constante e 
pode levar à extinção enormes pedaços das geleiras dos Himalaias, ameaçando o padrão de 
chuvas, o fluxo dos rios e a agricultura em toda a Ásia.
Monte Tian Shan, Casaquistão


Um estudo sobre mudança climática nos Alpes europeus realizado pela Organização para a 
Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE) aponta que as famosas pistas de 
esqui podem estar com os dias contados por lá. A estimativa é de que 9% das estações já 
sofram com o aquecimento global. Uma da mais vulneráveis é a de Kitzbühel, na Áustria, 
cerca de 800 metros acima do nível do mar. Por falta de gelo, na última temporada de Natal, 
apenas 1/5 dos elevadores operaram e ainda foi necessário usar neve artificial para liberar o 
uso de algumas pistas


Alpes de Kitzbühel, Áustria


Como a maioria dos glaciares da Terra, a maior calota tropical do mundo, a Quelccaya, nos 
Andes peruanos, já perdeu desde 1978 cerca de aproximadamente 20% da sua área. A 
estimativa dos cientistas é de que ela recua ao menos 4 metros todos os anos, dez vezes 
mais depressa do que a cinco décadas atrás, segundo estudo do Instituto de Politicas para a 
Terra.


Calota de Gelo de Quelccaya


Ele desce de 3,5 mil metros até 240 metros acima do nível do mar no meio de uma floresta 
tropical. Seu nome popular, The Tears of Hinehukatere (As Lágrimas de Hinehukatere, no 
português) vem de uma antiga lenda local sobre uma menina que perde seu amado numa 
avalanche. Suas lágrimas correm então montanha abaixo e congelam, formando o glaciar. 
Como os demais monte gelados da Nova Zelândia, o Granz Josef sofre com o fenômeno do 
aquecimento global, que já reduziu 25% da área total dos alpes.


Glaciar Franz Josef, Nova Zelândia


Encravado entre a China e a Índia, o reino do Butão possui muitas montanhas e picos 
nevados, entre eles o Monte Chomolhari ou Jomolhari, com aproximadamente 7,3 mil metros 
de altura. O rápido derretimento do gelo que corre para os lagos nos vales é uma ameaça 
para as comunidades da região. Há o perigo das represas nos lagos romperem e causarem 
deslizamentos de terra e enchentes, destruindo assim vilarejos locais, mosteiros e plantações.










fonte : http://exame.abril.com.br/economia/meio-ambiente-e-energia/noticias/7-geleiras-


montanhosas-do-mundo-que-estao-desaparecendo?p=1#link


Sem comentários:

Enviar um comentário